terça-feira, abril 17, 2007

Vazio

Naquele tempo havia um Sonho. Era um tempo de céu azul, embelezado por farrapos brancos de núvens que traziam boas novas. Naquele tempo havia alegria. Não a do riso aberto (mas também) e sim a do sorriso e do brilhozinho nos olhos. Naquele tempo havia a certeza que os versos do T eram os certos : pode-se amar alguém que escuta a mesma canção. Naquele tempo as árvores da Floresta eram frondosas, muito belas, onde o Verde era a cor dominante. Naquele tempo, o Mar, seu grande encanto, era azul, muito azul. E quando se tornava cinzento era lindo na mesma. Naquele tempo podia caminhar por montes e vales que nunca se cansava. Era um tempo de calma e recolhimento. Naquele tempo havia um Sonho.
...

Certa noite, o céu carregou-se de nuvens negras. (Já de manhã tinha havido ameaças). Não choveu, coisa estranha. Mas o ambiente ficou muito pesado, impossivel de respirar. E veio a tristeza. Não aquela que aparecia a espaços, mas uma tristeza profunda que destruia. Os olhos, já cansados, não tinham qualquer brilho. Deixou de ouvir as canções que tanto amava e até os pássaros, que acordavam a manhã, ficaram mudos. As árvores da Floresta, secas e mirradas, tinham uma imagem aterradora e uma cor parecida com o negro. O Mar enfureceu-se, deixou de ser amigo. E ficou perigoso, não só para quem nele entrasse, mas para todos os que o olhavam.
As pernas que caminhavam por montes e vales ficaram muito cansadas. Tinham desistido.
Naquela noite o Sonho morreu. Ficou o Vazio.

3 Comentários:

Às terça-feira, 17 abril, 2007 , Blogger Leticia Gabian disse...

O sonho, pela sua própria natureza, é atemporal. Sobrevive aos anos, às décadas. É invulnerável até às mais ameaçadoras nuvens negras a pairar sobre a as cabeças.
Mas, não é insubstituível. Se, por acaso, torna-se inadequado... as circunstâncias nos obrigam a um outro. Por isso, nunca o vazio.
Olha bem pra dentro que logo vais avistar um bocadinho de cor.... é o próximo sonho a se formar.

Beijão, querido

 
Às terça-feira, 17 abril, 2007 , Blogger Paula Raposo disse...

Gostei de te ler neste imenso vazio...beijos.

 
Às quarta-feira, 18 abril, 2007 , Blogger pitanga disse...

Sonho? Queres te fale de sonho? Eu sou o próprio sonho realizado. Mas já querem me tirá-lo. Pensas que vou permitir? Não. Depois do sonho o quê há?
Renova o sonho, reiinventa-o com novas cores. Ele é teu.

abraços de quem sonhou

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial