quinta-feira, abril 26, 2007

OBRIGADO


Mãe
Hoje trato-te por tu. Vais perdoar-me, não vais? Até à pouco tempo, enquanto estiveste connosco, nunca o fiz. Naquela altura isso não era próprio. E assim ficou.
As poucas palavras que me convidaram a dizer, no teu adeus, não saíram. Agora escrevo-te e só pode ser: Obrigado. Pelo teu Amor e dedicação.
Logo que nasci fui a causa de muito sofrimento para ti. Pela doença grave que eu tinha. Que tu soubeste contornar e acompanhar durante muito tempo. Até que tudo passou e ficaste muito contente.
Como contente deves estar agora, embora desse lado.
E, como não consigo pôr aqui tudo aquilo que sinto, mando-te mais um beijo - que não é o último, com certeza - e mais uma vez, obrigado Mãe por aquilo que foste.

9 Comentários:

Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger Paula Raposo disse...

Um texto tão simples e bonito. Tocante. Só pode ter sido uma grande Mulher. Beijos, Zé.

 
Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger dulce disse...

Mãe é como a água
como pão
só quando falta
temos a dimensão
da sua ausência
da nossa dependência

Só quando a Mãe morre
a infância verdadeiramente acaba
Antes a Mãe existia como a Natureza
forçosamente

De repente
o eclipse

Ou melhor:
em vez do Sol
a Lua

Mas esse luar insacia
de uma fome
que
sabemos
não poderemos
nunca mais
matar.


Teresa Rita Lopes

Beijo grande

 
Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger pedro macieira disse...

Um abraço
Pedro Macieira

 
Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger pitanga disse...

Beijos doces de Pitanga.

 
Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger Leticia Gabian disse...

Não sei se te consola ou só a mim mesma, mas acredito que haja o lado misterioso da vida e que nele havemos de reencontrar nossos entes queridos.
Um abração bem apertado

 
Às quinta-feira, 26 abril, 2007 , Blogger leonoreta disse...

ola ze.
escreves sempre coisas muito verdadeiras, com muito sentimento, de tal modo que fico sempre sem palavras.
abraço da leonoreta

 
Às domingo, 29 abril, 2007 , Blogger leonoreta disse...

ola ze
bati á porta. revi o texto. merecia a pena reve-lo. bom fim de semana. passarei outra vez noutro dia.
abraço da leonoreta

 
Às segunda-feira, 30 abril, 2007 , Blogger bettips disse...

Uma ternura desfiada em flores e uma humidade dos olhos. Abç

 
Às segunda-feira, 30 abril, 2007 , Blogger as velas ardem ate ao fim disse...

um grande bjinho

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial