sexta-feira, setembro 29, 2006

Esfingie

Sou filha da natureza erma e selvagem
Os giestais, por entre os rosmaninhos,
Abrindo os olhos d`oiro, plos caminhos,
Desta minh`alma ardente são a imagem.


Fôssemos um pedaço de paisagem!
E à noite, à hora doce da ansiedade
Ouviria da boca do luar
O De Profundis triste da saudade...

Embalo em mim um sonho vão, miragem:
Que tu e eu em beijos e carinhos
Eu a Charneca e tu o Sol, sozinhos,


E à tua espera, enquanto o mundo dorme,
Ficaria, olhos quietos, a cismar...
Esfingie olhando a planície enorme...

" Publicado no Jornal Diário de Noticias "

4 Comentários:

Às sexta-feira, 29 setembro, 2006 , Blogger dulce disse...

Lindíssimo, e melhor ainda declamado :-)
Beijossssssss

 
Às sábado, 30 setembro, 2006 , Blogger Leonor disse...

a florbela era uma mulher e peras, tendo em conta a epoca em que viveu. hoje a sua ousadia teria o mesmo valor.

abraçao da leonoreta

 
Às sábado, 30 setembro, 2006 , Blogger Leticia Gabian disse...

Lindo, Zé. Lindo, lindo, lindo!!!!

 
Às sábado, 30 setembro, 2006 , Blogger pitanga disse...

Pensou que eu não vinha? Já estou aqui.

"Ódio seria em mim saudade infinita
Mágoa de o ter perdido,amor ainda
Ódio por ele? Não...não vale a pena"

bom fim de semana

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial