quinta-feira, setembro 17, 2009

Ilha das Cobras / Conde de Ferreira

No Fotodicionário (PALAVRA PUXA PALAVRA) de hoje, o tema era Ilha.
Optei pela escolha de uma ilha, muito especial.


" Ilha (bairro) - Dá-se o nome de ilha a um tipo de bairro que surgiu na cidade do Porto, em Portugal.

A ilha do Porto é um tipo de habitação operária muito diferente do de outras cidades industriais, como Lisboa, onde existem os pátios, ou as cidades industriais europeias. Surgiram inicialmente na zona oriental da cidade, mas rapidamente se estenderam ao centro e aos concelhos limítrofes....


Wikipédia, a enciclopédia livre








Antes da Rua que aqui me trouxe, temos a antiga Escola Conde de Ferreira (também chamada Escola do Rodas). Lá andou meu avô Gabriel, o meu pai, eu fiz lá um periodo escolar após a 2ª classe, e foi escola de alguns dos meus filhos. Actualmente remodelada, mas descaracterizada, funciona lá o GAM (Gabinete de Apoio ao Munícipe) da Câmara Municipal de Sintra.

A Rua Conde Ferreira é dificil de descobrir. As ramagens da antiga " Estalagem da Raposa " tratam de encobrir a placa. E em Sintra, poucos a conhecem por aquele nome. Já se chamou Vila Simões, do nome da antiga proprietária de muitos dos imóveis: Aurora Simões. A designação de sempre - pelo menos mais de 50 anos - é Ilha das Cobras. Muito diferente das Ilhas da cidade do Porto é uma rua sem saída, muito perto do Centro Histórico de Sintra. Existe a curiosidade de saber a origem do nome. E os moradores, alguns muito antigos, não conhecem o porquê daquela designação. Havería muitos répteis naquela zona, em tempos recuados ? Ou sería uma alusão às cobras, venenosas e maldizentes que lá residíam ?

Hoje, a Rua Conde Ferreira / Ilha das Cobras é um pequeno e belo exemplo de recuperação de imóveis feita por particulares. Embora ainda existam algumas situações menos cuidadas, muitos dos prédios foram recuperados e destinados ao mercado de arrendamento (um encanto ver a casinha linda, ao fundo da rua, onde em tempos o meu tio Pedro tinha a oficina de carpintaria, e as galinhas passeavam no quintal). É um prazer percorrer aquela artéria. Das flores e plantas da D. Maria aos azulejos do Sr. Ricardo, por exemplo, tudo é bonito na rua. Logo no ínicio ainda temos a imagem da raposa, com salão de chá, onde funcionou em tempos uma estalagem. Pertence à Quinta da Raposa, cuja entrada se faz por aquela rua.

No que respeita aos moradores, e conheço vários há muito tempo (outros mais recentes) é desmentida a tese das " cobras ". Tudo gente muito boa, simpática e com uma vivência de aldeia que já é raro ver-se nas grandes urbes. Moraria com muito gosto, na Rua Conde Ferreira, em Sintra.


PS. Dedicado também a uma " saloia " que fez de Sintra o seu lugar de vivência. E que dirige, com o Luís, uma Saudade de encantar. Com os meus Parabéns no dia de hoje.

Etiquetas:

9 Comentários:

Às sexta-feira, 18 setembro, 2009 , Blogger Paula Raposo disse...

Ora bem!! Gostei muito de te ler e de apreciar as tuas fotos, é claro! Beijos e bom fim de semana.

 
Às sexta-feira, 18 setembro, 2009 , Blogger mena m. disse...

Muito giro aprender todoas estas coisas!
Bela reportagem!

Bom fim de semana!

 
Às sábado, 19 setembro, 2009 , Blogger M. disse...

Adorei a tua reportagem, Zé. E as fotografias ficaram lindas.

 
Às segunda-feira, 21 setembro, 2009 , Blogger Benó disse...

Ficámos todos a saber mais qualquer coisa.

Bonitas fotos.

 
Às sábado, 26 setembro, 2009 , Blogger Rute Oliveira disse...

Olá, eu andei na escola do rodas, ia buscar açucar queimado à sapa, comprar pastilhas à mercearia que havia em frente à escola e comprar material escolar à papelaria ABC, ao Senhor ABC, como lhe chamavamos, hoje dia é a Saudade, que belo espaço que se tornou a sombria ABC. Saudades desses tempos.

 
Às terça-feira, 06 outubro, 2009 , Blogger Mónica disse...

sobre a escola conde ferreira vale a pena ler o livro "muitos anos de escolas" editado pelo ministério da educação :D

 
Às sexta-feira, 14 maio, 2010 , Blogger sara carrapato disse...

Que giro eu andei nessa escola, penso que mesmo mesmo antes dela fechar.E vivi nessa rua (ilha das cobras) com a minha avo e a minha irma, na casa mesmo em frende ao portao de entrada da estagem da raposa.E penso que a sr. D. Maria que fala no texto seja uma senhora de que eu tinha imenso medo quando era pequenina. Que giro, é bom recordar...

 
Às domingo, 05 agosto, 2012 , Anonymous José Luís Filipe disse...

Toda esta zona, ainda hoje, é conhecida por “Ilha das Cobra”, nome que José Alfredo da Costa Azevedo não conseguiu descortinar. No meu entender, tal designação se deve aos problemas ai surgido através dos conflitos sociais entre o género feminino (nem todas), que constantemente se guerreavam ao ponto de assumirem como troféu das suas lutas, o pendurar nos estendais da roupa os cabelos das suas adversárias.Relativamente à toponímia de ilha, naturalmente poderá advir do facto de ser um bairro "Bairro Simões" e onde existia praticamente uma significativa quantidade de actividades comerciais: mercearia; drogaria;padaria; carvoaria; cocheiras; taberna (duas); carpintaria;estaleiro de obras; latoaria...

 
Às quarta-feira, 29 agosto, 2012 , Blogger Zé-Viajante disse...

Obrigado, José Luis
Foi util a explicação e já a passei a dois jovens e simpáticos moradores, lá ao fundo da rua...
Gostava de ter o seu mail mas não encontrei qualquer pista, nem de blog.
Se vir esta mensagem, pf , escreva para matias.jm@gmail.com
Abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial