terça-feira, abril 15, 2008

Infantil - para os netos

FUNDO DO MAR

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.

Sophia de Mello Breyner Andersen

TENHO UMA JANELA

Tenho uma janela
que dá para o mar
barcos a sair
barcos a entrar
tenho uma janela
que dá para o mar
sonhos a partir
sonhos a chegar
tenho uma janela
que dá para o mar
um fio de fumo
uma sombra além
uma história antiga
um cantar de vela
um azul de luar
tenho uma janela
que dá para o mar
tenho uma janela
que seria bela
seria mais bela
que qualquer janela
janela fosse ela
de lua ou de estrela
ou qualquer janela
de qualquer escola
se não fosse aquele
pescador já velho
que anda pela praia
a pedir esmola
barcos a sair
barcos a entrar
chego-me à janela
e não vejo o mar

Mário Castrim

Ilustrações de Danuta Wojciechowska


(Terra do Nunca - DN 06.04.08)

10 Comentários:

Às quarta-feira, 16 abril, 2008 , Blogger Dulce disse...

Olá Zé! Belíssimas escolhas! Os netos merecem e ... de pequenino ... é que se vai aprendendo a gostar do que é importante!
Beijo grande

 
Às quinta-feira, 17 abril, 2008 , Blogger Justine disse...

E os netos vão agradecer escolha tão criteriosa (nem que seja mais tarde). Uma encantadora introdução à poesia, indispensável na nossa vida

 
Às quinta-feira, 17 abril, 2008 , Blogger luis manuel disse...

Amigo, José
O navio mantêm-se em alto mar, e isso é bom !

Desde os ensaios de provérbios, ao jogo das palavras - 12.
E o Simão...
Sentida a recolha da "Terra do Nunca". Não mais comprei o DN (aliás poucos jornais tenho comprado neste últimos tempos - procuro apenas "as letras gordas" on-line... defeitos actuais)
Estimava muito esse caderno, durante algum tempo acredito que comprava o DN apenas para trazer essas páginas (ainda muitos andam guardados, outros foram oferecidos para o ATL).
Os netos vão sendo enriquecidos.
Feliz passagem para ter a oportuna informação acerca da Associação 25 de Abril; Coliseu (espectáculo) e transmissão pela TV !
Gostava de ter em gravação esse memorável dia 29.03.1974, apesar de não me ser possível fisicamente a presença, e ainda distarem alguns anitos para a consciência da sua importância, soube (re)conhecê-lo mais tarde.

Um grande abraço

 
Às sexta-feira, 18 abril, 2008 , Blogger M. disse...

Que sorte os netos que lêem estes poemas!

 
Às sexta-feira, 18 abril, 2008 , Blogger eremita disse...

são deliciosos para netos e avós. Por mim falo. fraterno abraço

 
Às sábado, 19 abril, 2008 , Blogger Sophiamar disse...

A poesia, o mar, as imagens que fazem as minhas del�cias. Melhor n�o poderia ter sido.

Beijinhos

Bem hajas!

 
Às sábado, 19 abril, 2008 , Anonymous Jofre Alves disse...

A poesia é um belíssimo estado de alma, para mais na pena da Sophia e do Castrim, então é uma delícia. Boa semana, com tudo de bom.

 
Às domingo, 20 abril, 2008 , Blogger lua prateada disse...

Tão lindo!....
E foi assim...no sorriso do tempo
Envelhecido pelo vento!...
Mas com cara feliz por perdurar
Que passei deixando o verbo amar...
e um lindo domingo.
Beijinho prateado com carinho
SOL

 
Às domingo, 20 abril, 2008 , Blogger Leonor disse...

ola ze. bonitos poemas mas prefiro o do mario castrim a sofia. a sofia é um nadinha complicada e o que ela escrevia para crianças nao era para crianças.
beijinhos

 
Às domingo, 20 abril, 2008 , Blogger Ana Patudos disse...

Muito bonito, sobretudo o do Mário Castrim
fica bem
Ana Paula

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial